Contador

domingo, 15 de novembro de 2009

Américo Boavida - Tempo e Memória (1923-1968)

"Meu irmão!
...os homens valem pelo seu valor intrínseco, e não pelo valor que as pessoas lhe dão".
Américo Boavida em carta para Diógenes Boavida

Hoje é daqueles dias em que o Pai Boavida, médico de profissão, me daria uma jeitão. Estou com gripe, congestionada, febril e a necessitar de mimos (tou doentinha!)Mas tudo isto, é ultrapassado por um dia entre livros. E como sempre, aproveito para fazer uma pequena reflexão...do que vou apreendendo. Então aproveito para falar do livro: Américo Boavida - Tempo e Memória (1923-1968)de Fernando Correia.

Neste livro reconstrói-se a vida de Américo Alberto de Barros e Assis Boavida, considerado por muitos, "um dos mártires e heróis do panteão nacional da Pátria Angolana".

Actualmente dá nome ao Hospital da Universidade Agostinho Neto - Faculdade de Medicina.

No livro há relatos, fotos do trabalho humanitário e médico prestado por Américo Boavida à população rural angolana.

Neste percurso também há uma história de amor; O Amor inter-racial entre Américo Boavida e Conceição Boavida. Ambos não cederam à pressão da população branca e negra que exigia a separação. Não se aceitava que um negro namorasse uma branca! Oh Vidas!

E assim, me continuo a deliciar com mais uma história da nossa história.
Parabéns ao Historiador Fernando Correia que realizou um trabalho de pesquisa, compilação e redacção fabuloso, num total de 500 páginas.

Um comentário:

Fernando CORREIA/Historiador de Angola disse...

A História da terra que nos viu nascer está recheada destes episódios. Obrigada. Fernando Correia.