Contador

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

ControVerso - Kardo Bestilo

O dia 5 de Novembro não foi um dia muito feliz para mim. Confesso! Aconteceram pequenas coisas....mas mesmo muito pequenas que me fizeram reduzir ligeiramente a positividade do meu semblante...mas por mais um acaso recebi o convite do Nguimba Ngola para ir ao lançamento do livro: "Amor Protegido". Como sempre, dificilmente recuso um convite que envolva cultura...especialmente literatura! E lá consegui estar!

Após o lançamento, descemos as escadas e no desconhecimento estúpido de quem por vezes vai aos sítios e distraidamente não repara em nada dei de caras com um teatro. Passando a imensa portada com cortinados pretos entrei novamente e sem querer querendo no mundo da poesia. E como se de um outro mundo se tratasse um grupo de pessoas sentadas ouvia declamar uma criança, de seu nome Igor...o Igor com talvez 10 anos falava dos diamantes da Lunda e de um amor por uma fingida! Quando a poesia já atinge as crianças digam-me lá que não há esperança?! Mas é que me digam com frontalidade...porque eu respondo com toda a frontalidade: PIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII.....PIIIIIIIIIII:::e mais PIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII....pois só vê o fim quem acredita que lá vai chegar...e só vence quem não desiste...

Mas com tudo isto, e após mais uma sessão de cultura saí. E na rua cruzei-me com Kardo Bestilo (Kussi Bernardo) que me disse ser escritor. Comprei-lhe o livro ControVerso! E claro pedi-lhe um autógrafo, melhor...confessei-lhe que o que precisava mesmo era de uma mensagem que me ajudasse acreditar que vale a pena persistir na escrita e a acreditar em sonhos; e sem grandes modas lá escreveu algo que eu não li na altura. Agora no silêncio deste quarto e ao som deste teclado, lembrei-me de ler a sua mensagem:

"A luz é o caminho que buscamos,
os degraus as batalhas que vencemos..."

Animei e com todo o entusiasmo comecei a ler o livro...uma coisa eu sei...o poema "Sofrimento do meu povo" é altamente reaccionário e contestatário talvez por isso Kardo sinta necessidade de o cingir a 1960 - 1974! parabéns ao pai de Kardo pela capacidade de exprimir sem pudor ou medo o que lhe ia na alma...mas há que contextualizar!!!!! talvez ainda esteja mais contextualizado agora!

Fugindo ao tom grave do pai, Kardo busca consolo no "Amor" da mãe que o "liberta e dá espaço". Amor é Liberdade! Será Kardo? Será? E como quem não conhece a "liberdade" questionas:"Mas o que és tu Liberdade/Pedaço de Verdade?" e como quem não acredita confessas tristemente:"Todos te querem/Ninguém te tem" e após explicares o que te vai na alma descreves a Poesia de forma transcendental:

Poesia

Quem sou eu? - indaga a poesia e como quem se descobre confessa-se:"Eu sou fruto de dois jovens e milhões de velhos"..."Eu sou aquela que não aceita regras"..."Eu sou aquela que quer melhorar todos os dias"
"Eu sou a Poesia"

E a querer ler mais me pergunto: o que te passou nessa cabeça para escrever "Rico Liberal"?

"Não sei como é que essa gente adora ser pobre
E ainda vêm com histórias que amor não se compra"

Deixa-me que te diga, o amor não se compra: hipoteca-se!

3 comentários:

Kardo Bestilo disse...

A resposta está em Minhas Outras Vidas.

Gostei do texto e onde há ar, há espaço para Arte...

Lueji - Rainha da Luz disse...

Ok...kardo não encontrei esse poema! Minhas Outras vidas! Será um outro livro? Mas deixa estar encontrei um que me fez estalar o meu feminismo: Não é Infidelidade é Cultura!!!!!!!!!!! GRRRRRRRRRRR

"eu sou um homem com H duplo!
isto não é infidelidade, é Cultura Errada!"

E como se chama a quem se mantém errado? Um Kardo?!

Kardo Bestilo disse...

É mesmo ControVerso...

E as palavras caiem em mim assim,
As horas atropelam sentimentos,
As lágrimas naufragam no meu castelo...